domingo, 30 de julho de 2017

A tecnologia que quero e ainda não existe

Não só eu, mas quem para pra pensar no que realmente seria útil na vida, quer, pelo menos, algum item dessa lista. 

1. Teletransporte
Sempre que tenho de ir a um lugar distante e, principalmente, quando estou atrasada, me pergunto quando vão inventar o teletransporte. Soube que já teletransportaram minúsculas particulinhas começando em 1997 pelo fóton, uma partícula de energia e por último, em 2009, foi o teletransporte quântico, no qual apenas vai informação, não matéria, nem energia. Para ler um breve histórico do teletransporte, vai lá no site da SuperInteressante. As pesquisas seguem, tentando provar que Einstein estava errado ao debochar do teletransporte. Muita gente, eu inclusive, se pergunta se será possível algum dia teletransportar pessoas como no Star Trek. Pelo fóton e pelo quântico, acho melhor não esperar.

2. Eu, eu mesmo e outro eu
Em um momento ou outro da nossa vida, queremos ser dois ou três ou quatro para dar conta de nossas tarefas e ainda delegar as coisas mais chatas a outra pessoa, não é? Nas histórias de ficção, já fizeram isso pacas, mas aí é só. Tecnicamente você não pode se dividir em dois, pois a partir do momento em que haveria outro de você, essa pessoa teria outra consciência, portanto seria outra pessoa. Mesmo que a consciência possa se dividir, na meditação, por exemplo, isso só acontece por causa dos níveis da consciência que uma pessoa possui. Isso é assunto pra psicologia e neurociência, muito interessante. Portanto, se você tem um monte de coisas pra fazer, é melhor não procrastinar e fazer rápido, porque a ciência não vai te ajudar.

3. Transformar pensamento em coisas
Isso seria a solução de todos os nossos problemas. Ninguém mais passaria fome, nem tédio, nem carência afetiva. Mas, não, não há como. No máximo você pode ver no Guia do Mochileiro das Galáxias uma máquina que transforma o que você tá pensando em comida. Mas mesmo assim, a comida não sai da mesma forma que você queria.


4. Sonhos que viram filme
Você sempre sonha coisas incríveis que dariam filmes ótimos. Mas ainda não existe tecnologia para transformá-los em nada além de um post no blog. No filme A Origem, as pessoas conseguem montar e conduzir os sonhos com um sistema interessante. Mas, esse sistema não existe de verdade, portanto, vai sonhando.

5. Um convocador de coisas perdidas
Seria ótimo ser como Harry Potter e convocar magicamente qualquer coisa com um simples Accio! E não só vassouras voadoras, mas chaves, celular, guarda-chuvas, pendrive. Principalmente para as pessoas que nunca se lembram em que buraco negro meteram suas coisas. Para isso, a tecnologia dá jeito! Mas só para metais atraídos por ímãs. Ou seja, se você perder uma agulha num palheiro, use a tecnologia, pronto! Fora isso o melhor é tomar vergonha na cara e melhorar sua organização e concentração, porque tecnologia até salva mas, não é deus.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Bichinho de pelúcia atropela senhora de 78 anos

É isso mesmo! Um bichinho de pelúcia caramelo, dirigido por uma senhora idosa em um shopping de Porto Alegre atropelou uma outra senhora de 78 anos a 1 Km por hora!

Estou falando que esses seres malignos de pelúcia que andam sozinhos são um terror...

Confira a notícia completa na Gazeta Online:

Senhora de 78 anos é atropelada por "pelúcia motorizada" em shopping e se machuca 

O veículo responsável pelo acidente, porém, não foi um automóvel, uma motocicleta, ou uma bicicleta. E sim um ursinho da cor caramelo, pilotado por outra senhora de idade avançada

sábado, 22 de abril de 2017

Tem horas que tudo que eu preciso é de um Ctrl Z

Você está lavando a louça e aquela sua caneca favorita, que você trouxe da Cochinchina, contrabandeada no meio de um bolo de roupa suja, por dias e dias, para se lembrar daquela viagem louca e inesquecível, de repente cai e se parte em mil caquinhos.

Tudo o que você queria neste momento era um Ctrl Z. 

Um Ctrl Z na vida. Volta tudo, deixa a caneca suja e lava amanhã, porque hoje não é o dia.




terça-feira, 21 de março de 2017

Série palavras bizarras: Paralelepípedo

Começando nova série hoje! A ideia é zoar com alguma palavra de nossa nobre língua mátria portuguesa, e desvendar sua tendência bizarra. E para começar, vamos de cara com essa misteriosa palavrota:

Paralelepípedo

Minha teoria é que a origem se deu quando alguém estava tentando nomear como deviam ser as casas em relação às ruas em uma cidade. Isso em uma época em que as ruas não eram como hoje, eram becos, vielas, corredores tortuosos. Só que aí, a figura estava andando de carruagem num lugar desses em que se senta as pedras na rua, enquanto tentava explicar que a rua devia ser paralela ao pé das casas. Chacoalha aqui, chacoalha ali e o que ele conseguiu dizer foi:

- Pa-pa - ra - re - le- p - pi - pe - d - do...

Bem, foi só zoação dentro da carruagem e depois disso, toda vez que foram dizer qual o tipo de rua que assenta pedras como calçamento, passaram a usar a palavra que entenderam: Paralelepípedo.

E foi assim, porque sim!